Cão tem focinho decepado por foice e é sacrificado no interior do Tocantins; suspeito é procurado pela polícia

Crime foi registrado em Ipueiras. Polícia disse que "todos os esforços estão sendo realizados para a total e completa elucidação do fato criminoso".

Compartilhe

Um cachorro foi sacrificado após ser ser atacado violentamente em Ipueiras, na região central do estado. Segundo os tutores, um vizinho suspeito do crime teria usado uma foice para cortar o animal, que teve o focinho decepado. A Polícia Civil disse que está investigando o caso.

O crime aconteceu na tarde deste sábado (8). Uma testemunha relatou que o suspeito da agressão dizia que o cão “malinava” em sua casa. Segundo os tutores, o animal era filhote e gostava de brincar. Eles acreditam que o suspeito já estava esperando o cachorro chegar à residência para agredi-lo.

A família disse que o cão saiu de casa por volta de 16h30 e cinco minutos depois voltou sangrando e sem o focinho. Devido a gravidade dos ferimentos, o cachorro precisou ser sacrificado.

As imagens fortes mostram que a parte da boca e do nariz do animal foi cortada e a língua e os dentes ficaram expostos.

IMAGENS FORTES:

Moradores contam que uma foice foi usada para agredir o animal. Segundo os tutores, o cão agonizava e sofria muito de dor. “Com as condições que ele estava, não deu tempo de ir no veterinário. Não tinha como ir. Ele estava sofrendo demais. Teve que sacrificar o animal”, disse uma prima da tutora.

ONGs de proteção de animais do Tocantins compartilharam a situação e pediram justiça.

A Polícia Militar informou que apesar de não ter sido acionada para registrar a ocorrência, policiais do 5º Batalhão e da PM Ambiental foram ao local ao tomarem conhecimento do caso. A corporação não conseguiu localizar o suspeito e as diligências continuam.

A Secretaria de Segurança Pública disse que o caso é investigado pela 75ª Delegacia de Polícia. Segundo o delegado Antônio Oliveira, que é o responsável pelos trabalhos investigativos, já foi registrado um Boletim de Ocorrência sobre o fato e “todos os esforços estão sendo realizados para a total e completa elucidação do fato criminoso”.

A Polícia Civil trata o caso como uma “agressão violenta”.