Abordagem da PM de Goiás a youtuber negro em Cidade Ocidental gera revolta na web

Filipe Ferreira estava gravando um vídeo com manobras de bicicleta quando, com arma apontada contra sua cabeça, foi algemado em um parque do município goiano.

Compartilhe

O vídeo de uma abordagem policial a um jovem youtuber negro têm causado revolta nas redes sociais e web desde a noite da última sexta-feira (28). Na gravação, enquanto registrava manobras de bicicleta para seu canal, Filipe Ferreira é surpreendido pela Polícia Militar (PM) e algemado. O caso aconteceu em Cidade Ocidental, município do Entorno do Distrito Federal, a 199 quilômetros de Goiânia.

No vídeo, inicialmente é possível ver Filipe fazendo as acrobacias. Quando uma viatura da PM surge, um dos policiais desce do carro e grita ordenando que o jovem se afastasse. Ferreira questiona a abordagem do policial, e o militar saca uma arma.

“Por que você está apontando uma arma pra mim?”, pergunta o youtuber. “Coloca a mão na cabeça. Se não obedecer, você vai ser preso”, grita o PM. “O que que eu tô fazendo cara?”, continua Filipe.

Durante todo o momento, um dos policiais mantém a arma apontada. “Esse é o procedimento”, afirma. “Beleza, cara, mas porque me tratar desse jeito?”, indaga Ferreira.

Segundos depois, Filipe tira a camisa para mostrar “que não tem nada”. Logo depois, o jovem é algemado. “Resiste aí para ver o que vai acontecer contigo”, diz um dos policiais. “Eu sou trabalhador”, continua Filipe. “E eu sou vagabundo, estou aqui brincando”, responde o militar.

Revolta

O vídeo viralizou nas redes sociais. No Twitter, um post com a gravação tem mais 50 mil curtidas e 5 mil compartilhamentos. Nos comentários, internautas se mostram revoltados com a abordagem policial.

Personalidades brasileiras criticaram a abordagem da Polícia Militar goiana a um youtuber negro. Artistas, políticos e ativistas de todo o país questionaram o excesso de autoridade dos policiais diante do ocorrido.  O caso ocorreu na sexta-feira (28), quando o jovem realizava manobras de bicicleta e foi algemado e teve uma arma de fogo apontada para si. A abordagem foi registrada pela vítima.

Durante a manhã desde sábado (29), o ex-ministro Ciro Gomes comentou o caso ao reproduzir o vídeo em seu Twitter. “Impossível não se revoltar ao ver essa agressão absurda a um cidadão negro!”, comentou Ciro.

Já o ator Babu Santana, conhecido pela luta ao combate ao Racismo, deixou sua opinião ao comentar uma publicação feita no Instagram do deputado federal pelo Psol do Rio de Janeiro, David Miranda. “Esses caras que deviam nos proteger! Sei nem mais o que dizer! ‘pq eu tô mandando!’ Caô, é porque eu tenho uma arma apontada pra sua cabeça”, defendeu Babu.

Felipe Neto, youtuber com mais de 42 milhões de inscritos em seu canal no Youtube, disse que acha a situação “Podre. Nojenta. Repulsiva. Patética. Abusiva. Revoltante”.

“Ser negro no Brasil é isso aqui. Viver todos os dias na mira do racismo e não saber se estará vivo no dia seguinte. O “crime” do rapaz? Ser negro e gravar um vídeo andando de bicicleta”, publicou um perfil.

“Policial completamente despreparado e abusivo e o povo querendo encontrar justificativas para defender. Queria ver se fosse com vocês”, escreveu outro.

O que diz a PM

A Polícia Militar de Goiás informou em nota, na tarde deste sábado (29), que está apurando o caso de abuso de poder por parte dos PMs que abordaram o youtuber.

Segundo a PM, caso seja comprovado qualquer tipo de excesso de poder por parte dos militares, as providências legais serão tomadas.

Durante todo o momento, registrado no vídeo, um dos policiais mantém a arma apontada. “Esse é o procedimento”, afirma. “Beleza, cara, mas porque me tratar desse jeito?”, indaga Ferreira.

*Com informações do Mais Goiás