Vídeo: Juiz encerra depoimento após ré, ‘tranquilamente’, abrir cerveja durante audiência virtual

Caso foi em Augustinópolis, no norte do Tocantins. Mulher foi excluída da sala e terá de pagar 10 salários mínimos por desrespeitar o judiciário. Ela estava sendo julgada pelos crimes de injúria e de ameaça, pelo qual acabou sendo condenada.

Compartilhe:

Uma situação inusitada foi registra durante uma audiência virtual em Augustinópolos, na região do Bico do Papagaio, no norte do estado. O juiz da 2ª Vara de município decidiu encerrar um depoimento durante de uma ré, após ela abrir uma garrafa de cerveja. A situação aconteceu na segunda-feira (6) e repercutiu nas redes sociais.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

A ré, Rebeca Barbosa Oliveira, responde a um processo criminal por injúria e ameaça. Ela foi excluída da sala e condenada a pagar uma multa de dez salários mínimos por desrespeitar o tribunal. A audiência foi gravada e o processo é público.

Assista o vídeo:

Rebeca foi considerada culpada apenas pelo crime de ameaça, enquanto o de injúria não foi comprovado. Na gravação da audiência, ela é vista inicialmente dentro de um veículo e depois entra em uma casa, onde pega uma garrafa de cerveja e começa a beber diante da câmera, enquanto uma testemunha prestava depoimento.

O juiz Alan Ide Ribeiro da Silva interrompeu o depoimento e removeu Rebeca da sala de audiência após presenciar o ato. Ele afirmou: “Não vou interrogar alguém que está bebendo durante um ato tão sério quanto um julgamento”. Após dispensar a testemunha, o juiz ouviu as demais partes envolvidas no processo.

Juiz encerra depoimento após ré, 'tranquilamente', abrir cerveja durante audiência virtual
Foto: Reprodução

No mesmo dia, foi proferida a sentença, absolvendo Rebeca do crime de injúria e condenando-a a três meses e dois dias de detenção pelo crime de ameaça. Além disso, o juiz decidiu condená-la por litigância de má-fé devido ao seu comportamento durante a audiência, impondo uma multa de dez salários mínimos.

A Defensoria Pública, responsável pela defesa da ré, afirmou que não comenta as decisões judiciais. O Tribunal de Justiça informou que a Defensoria renunciou ao interrogatório da ré.