Três dos suspeitos de fraudar concurso da PM do Tocantins são presos no Piauí

Entre os presos está Antônio Concurseiro, apontado como líder da quadrilha. Outras nove prisões foram feitas em cidades do Maranhão.

Compartilhe

Três suspeitos de fraudar o concurso da Polícia Militar do Tocantins foram presas em Teresina (PI), nessa quinta-feira (21), pela Polícia Civil do Piauí, em auxílio a Polícia Civil do Tocantins. A ação faz parte da Operação Aleteia, coordenada pela Polícia Civil do Tocantins. Mandados de prisão, busca e apreensão estão sendo cumpridos no Tocantins, Maranhão e Piauí. Até o momento treze pessoas foram presas.

Foram presos, Antonio Ferreira Lima Sobrinho, vulto Antônio Concurserio, Aline Oliveira Santana (esposa de Antonio) e Gabriela Oliveira Santana. A prisão ocorreu em um condomínio localizado na avenida Raul Lopes, na capital piauense.

Em outras cidades do Maranhão mais nove pessoas foram presas. De acordo com a polícia, Antonio já havia sido preso no Maranhão por outras fraudes, sendo considerado a pessoa que faz as provas e repassa gabaritos a outros candidatos. Ele é apontado como líder de uma quadrilha especializada em fraudar concursos públicos.

Ainda segundo a Polícia, ‘Concurseiro”  já obteve mais de 30 aprovações em certames públicos. “Antonio é muito inteligente e aqui (Piauí) fez o último concurso da Polícia Civil, realizado dia 10 de junho de 2018, sendo monitorado por equipe de agentes. Não foi preso antes do concurso por que o mandado de prisão não havia saído, mas como sabíamos de seus antecedentes, fizemos um trabalho policial de monitoramento com ele do começo ao fim do certame. Aqui no Piauí, ele não teve nem como pensar em fraudar nosso concurso”, destaca a Delegada Alexandra Santos do Grupo de Repressão ao Crime Organizado, da polícia do Piauí.

A equipe do Tocantins estava sob o comando do Delegado José Anchieta de Menezes Filho.


| Suspeitos de integrarem a quadrilha presos no Maranhão.

Fotos: Divulgação