Servidor público e esposa dele são indiciados por comércio ilegal de munições em Araguaína

Segundo a polícia, durante as investigações foram apreendidas centenas de munições vendidas pelo investigado.

Compartilhe:

A Polícia Civil as investigações sobre um caso de comércio ilegal de munições em Araguaína, no norte do Tocantins, e indiciou um servidor público de 42 anos e a esposa dele, de 38 anos, pelo crime. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, durante as investigações, foram apreendidas centenas de munições vendidas pelo investigado, além de peças de veículos de origem criminosa.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Ainda de acordo com a pasta, as investigações começaram em junho de 2020, quando a polícia prendeu um casal por tráfico e posse ilegal de munições. Aprofundando as investigações, os investigadores descobriram que o homem preso havia comprado munições de um terceiro elemento, e foi assim que chegaram ao servidor público como fornecedor de munições para diversos compradores em Araguaína.

Após obter informações suficientes, a polícia solicitou um mandado de busca e apreensão na casa do servidor público, onde encontraram mais de 500 munições intactas de diversos calibres, incluindo algumas do mesmo modelo apreendido anteriormente.

Além disso, segundo o delegado José Anchieta de Menezes Filho,o suspeito mantinha uma oficina anexa a sua residência, onde comercializava peças de veículos automotores de origem criminosa.

A polícia não informou que qual órgão o servidor publico indiciado está lotado.

O servidor e sua esposa foram indiciados pelos crimes de comércio ilegal de munições e receptação, pois não conseguiram comprovar a origem dos bens apreendidos. Agora, o caso foi encaminhado ao Ministério Público Estadual para as medidas legais cabíveis.