Ronaldinho Gaúcho e irmão são flagrados com documentos falsos no Paraguai

Ex-atleta e seu irmão e empresário, Roberto de Assis Moreira, foram abordados horas após a dupla desembarcar. Ronaldinho participaria, a convite, de eventos sociais no país.

Compartilhe

 

O ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho foi alvo de uma ação policial no Paraguai, na noite desta quarta-feira (4), por uso de documentos falsos. Agentes da Polícia Nacional autuaram o ex-atleta e seu irmão e empresário, Roberto de Assis Moreira, horas após a dupla desembarcar no país. Ronaldinho participaria, a convite, de eventos sociais que ocorrem nesta quinta-feira (5), na cidade de Lambaré, próximo à capital, Assunção.

Ronaldinho e Assis foram abordados quando jantavam em um restaurante em Assunção. De acordo com a Polícia Nacional, dois passaportes presumivelmente falsos e telefones celulares foram apreendidos na ação. Além de passaportes paraguaios, Ronaldinho e o irmão portavam cédulas de identidade do país vizinho.

As autoridades receberam a denúncia ainda no aeroporto, mas preferiram não agir em virtude da repercussão sobre a chegada de Ronaldinho. Inúmeras pessoas foram ao local para receber o ex-jogador. Só a noite, promotores e policiais foram ao resort a fim de esclarecer a situação.

O craque de Barcelona e seleção e o irmão se encontram no quarto do hotel e vão depor amanhã às 8h (hora de Assunção).

Segundo o promotor Federico Delfino, do MP paraguaio, Ronaldinho e Assis disseram que viajaram ao Paraguai a convite do dono de um cassino e que, já no país, foram procurados por representantes de uma fundação de assistência para participar de eventos beneficentes.

Até o momento, a polícia paraguaia prendeu o brasileiro Wilmondes Sousa Lira, sob a acusação de fornecer os passaportes falsos em nome de Ronaldinho e Assis. A informação é que o ex-jogador e o irmão  colaboraram com as investigações.

Foto: Reprodução

Por acordo do Mercosul, não há a necessidade de apresentar passaporte brasileiro para entrar no Paraguai. Este é, portanto, um dos pontos da investigação das autoridades paraguaias. Ronaldinho e Assis saíram do Brasil apresentando documentos brasileiros, mas entraram no Paraguai com o passaporte de nacionalidade paraguaia.

Ronaldinho e o irmão, Assis, disseram à polícia que viajaram ao Paraguai a convite do empresário Nelson Belotti, que é sócio de Danilo Gamba no Cassino “Il Palazzo”, localizado dentro do centro de entretenimento.

Gamba também é sócio da empresa CPA Assessorial Empresarial e chegou a ser recebido para reunião no gabinete do vice-presidente, general Hamilton Mourão (PRTB), no dia 7 de agosto de 2019, às 10h30. A pauta da conversa foi de “assessoria empresarial em segurança cibernética”, segundo consta na agenda oficial.

Nelson Belotti é citado em vários processos da operação Lava Jato, do Petrolão a JBS, em operações com doleiro Alberto Youssef.

Passaporte apreendido

Ronaldinho teve seu passaporte apreendido em novembro de 2018 junto com o de seu irmão. Ambos foram condenados por crime ambiental por construir ilegalmente um píer na orla do Lago Guaíba, em área de preservação permanente.

Em novembro do ano passado, o ex-jogador foi nomeado embaixador do Turismo do governo de Jair Bolsonaro. Na época, ele ainda estava com o passaporte apreendido.

*Com informações da Agência Brasil, Uol e Fórum