PF contradiz versão de Damares e diz que avião de igreja com droga era monitorado

Senadora afirmou que aeronave com 290 kg de supermaconha foi denunciada pela própria congregação de seu tio.

Compartilhe:

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

A Polícia Federal divulgou uma nota sobre a apreensão de um avião com 290 kg de maconha no sábado (27), no Pará, em que contradiz a versão dada pela senadora Damares Alves (Republicanos-DF). A aeronave é da Igreja do Evangelho Quadrangular, liderada por Josué Bengtson, tio de Damares.

Nesta segunda (29), após a divulgação da ação da PF, a senadora se manifestou e disse ter sido a própria igreja a responsável por avisar a polícia sobre a carga suspeita na aeronave.

“Damares Alves entrou em contato com a família e foi informada que a denúncia à Polícia Federal sobre uma carga suspeita carregada na aeronave foi realizada pelos responsáveis pelo avião, ou seja, pela própria Igreja”, afirmou a senadora em sua conta no Instagram.

A PF, no entanto, afirma que “a ação foi realizada a partir de informações de inteligência do Núcleo de Polícia Aeroportuária” da corporação. Já havia um monitoramento dos policiais federais após informações sobre a suspeita do uso irregular da aeronave da Igreja.

Foto: Reprodução

Sobre a manifestação da senadora, a PF diz que não comenta investigações em andamento e que “não se manifesta sobre declarações de pessoas, representantes ou autoridades de outras instituições.”

A Igreja do Evangelho Quadrangular, do Pará, assumiu ser dona do avião apreendido com 290 kg de skunk, um tipo de maconha, no Aeroporto Internacional de Belém.

De acordo com o deputado federal Paulo Bengtson (PTB-PA), filho do líder da igreja, um homem que prestava serviços nos hangares de aviação privada carregou o avião, o monomotor Bonanza, com a droga.