Operação mira mulheres que ocupavam altos cargos em facção criminosa no Tocantins

Policiais civis cumprem 13 mandados de prisão, sendo 11 contra mulheres, em Palmas, Araguaína, Aliança do Tocantins, Miracema, Pium e Pedro Afonso.

Compartilhe


A Polícia Civil deflagrou na anhça dessa quinta-feira (22) uma operação contra membros de uma facção criminosa que atua no tráfico de drogas no Tocantins. Ao todo, 13 mandados de prisão são cumpridos em seis cidades do estado. A ação foi chamada de Rosetta e tem como objetivo desarticular a participação de mulheres no grupo criminoso.

Segundo a Polícia Civil, 11 mandados são contra mulheres e dois para homens. Os alvos ocupavam altos cargos administrativos dentro do grupo criminoso. A operação está sendo realizada pela Divisão Especializada de Repressão ao Crime Organizado (Deic) de Palmas.

Ainda segundo a polícia, as mulheres investigadas possuem “cargos” importantes dentro da facção, gerenciando, ordenando e executando tarefas de relevância. Os mandados são cumpridos em Araguaína, Aliança do Tocantins, Miracema, Pium e Pedro Afonso, além de Palmas.

Participaram da operação 14 equipes de agentes das divisões de Combate ao Crime Organizado, Investigações Criminais, Repressão a Narcóticos e Homicídios.

A operação ganhou o nome por causa de Rosetta Cutolo, irmã do chefe de uma facção criminosa da Itália. Ela teria orquestrado, em 1978, a fuga de seu irmão de uma unidade hospitalar psiquiátrica. Até aquele momento, não se tinha registros da participação feminina em altos cargos de decisão e gerenciamento de organizações criminosas.