Novo Cangaço: Banco é destruído após ser invadido por quadrilha fortemente armada no interior do Tocantins

Vídeo mostra explosão e reféns dentro da agência de Divinópolis. Banco do Brasil informou que "não há previsão de reabertura da unidade".

Compartilhe:

Uma agência bancária ficou destruída após ser atacada por criminosos fortemente armados durante um assalto. A ocorrência foi na madrugada desta sexta-feira (29) em Divinópolis, na região central do Tocantins. Segundo a polícia, a suspeita é de que pelo menos 10 homens tenham participado da ação. Vários tiros foram ouvidos e moradores foram feitos reféns.

Segundo a polícia, o ataque começou por volta de 23h30 desta quinta-feira (28). Os criminosos usaram duas caminhonetes e uma motocicleta. No Banco do Brasil a quadrilha explodiu o cofre da agência e conseguiu levar dinheiro.

Imagens feitas na cidade mostram a destruição após o crime praticado na modalidade ‘novo cangaço’. Seis pessoas foram feitas reféns, mas todas foram liberadas e passam bem.

Parte da cidade ficou sem energia elétrica e várias munições foram encontradas perto das agências.

Imagens de câmeras de segurança mostram a ação de uma quadrilha. Os homens fizeram reféns e atiraram várias vezes para o alto. Um vídeo mostra uma explosão e o momento em que os criminosos encapuzados obrigam moradores a entrar no banco. 

Assista o vídeo:

As imagens serão usadas pela Polícia Civil para tentar encontrar os criminosos. Os investigadores acreditam que pelo menos 10 homens tenham participado da ação. Nenhum suspeito havia sido preso até a manhã desta sexta-feira.

Ainda durante a madrugada uma força-tarefa policial foi montada para procurar o grupo. O delegado Evaldo de Oliveira Gomes, da 1ª Delegacia Especializada Em Investigações Criminais (DEIC) de Palmas, disse que “as buscas pelos criminosos continuam e agora contam com reforço do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer)”.

Policiais relatam momento de tensão

Sequências de tiros foram ouvidas em áudios de policiais que estavam em Divinópolis, no momento em que um banco e uma casa lotérica foram atacadas por assaltantes. Enquanto combatia o crime, um militar enviou uma mensagem em áudio aos colegas. Ele disse que precisou recuar por causa da quantidade de disparos feitos pelos criminosos.

“Aqui são mais ou menos uns 25 homens. É tiro demais. A gente tentou resistir aqui, mas teve que correr, beleza?”, disse um policial militar.

Em outra mensagem um PM disse que estava no meio de um tiroteio. “Estou vindo de um lugar que estou no meio do fogo. Estou no meio do fogo”, disse.

Enquanto os policiais falam, vários tiros são ouvidos. Nenhum policial ou refém ficou ferido. Após o ataque parte da cidade ficou sem energia elétrica e munições foram encontradas pelo chão. Segundo a polícia, seis pessoas foram vítimas. Todas foram liberadas sem ferimentos e passam bem.

Foto: Reprodução
Novo cangaço

Quadrilhas especializadas em assaltos a bancos e criminosos fortemente armados. O “novo cangaço” é uma expressão antiga, que surgiu há mais de 30 anos, e é usada para definir grupos deste tipo.  

Os crimes são praticados em cidades do interior, aterrorizando a população e, principalmente, trabalhadores de agências bancárias que, muitas vezes, são feitos reféns e têm familiares ameaçados.

O “novo cangaço” ganhou notoriedade com o aumento da repercussão deste tipo de crime, que também pode ser praticado em lojas de luxo. Os criminosos não chegam às cidades despreparados. As gangues surgem com armamento pesado e equipe treinada para a prática do crime.

Algumas quadrilhas realizam até rotas para assaltos e passam por diversos municípios.

*Com informações do G1