MP faz vistoria no HGP e registra corredor lotado, falta de medicamentos e fila de espera por leitos

Segundo a promotoria, 169 medicamentos da farmácia do maior hospital público do Tocantins estão em falta ou quase acabando.

Compartilhe:

Uma nova vistoria feita pelo Ministério Público encontrou problemas que parecem não deixar o Hospital Geral de Palmas. Entre eles, foram registrados paciente aguardando leitos de UTI, outros à espera por leitos intermediários e muita gente no corredor. A fiscalização também constatou faltam medicamentos e a espera longa por procedimentos.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

De acordo com a promotoria, 169 medicamentos da farmácia estão em falta ou quase acabando. Nessa semana, inclusive, a Justiça determinou que o Estado regularize o estoque de medicamentos oncológicos que estão em falta no HGP. São pelo menos 14 remédios para o tratamento do câncer com os estoques zerados.

Também foram constatados problemas na ala psiquiátrica. “Realizei vistoria no Hospital Geral de Palmas após o recebimento de denúncias na promotoria. Na unidade, dois pacientes aguardavam leito de UTI e 15 pacientes esperavam leitos de UCI. Também foi constatada a falta e estoque crítico de 169 medicamentos, além de vários pacientes nos corredores”, disse o promotor.

Ainda segundo o Ministério Público, durante a vistoria funcionários relataram que um dos principais motivos para alta demanda é que outras unidades de saúde no estado não realizam a quantidade de atendimentos adequada e acabam enviando pacientes para o HGP.

A dona Cleusiane, por exemplo, tá há um mês internada no Hospital Regional de Miracema esperando uma cirurgia. “Toda quarta-feira eles falam que vão fazer a minha cirurgia, mas quando o médico chega eles falam que não tem material”, disse a paciente.

Foto: Divulgação/MPTO
O que diz a secretaria

Sobre a situação da dona Cleusiane, a Secretaria de Saúde do Tocantins afirmou, em nota, que fez aquisição do material para a cirurgia dela. Segundo a SES, os insumos necessários para o caso dela não são comuns ao estoque da unidade de Miracema, por isso foi preciso comprá-los.

Sobre a falta de medicamentos no HGP, a secretaria informou que a pandemia da Covid-19 prejudicou a manutenção dos estoques, mas que não tem medido esforços pra garantir o abastecimento e ainda que possui remédios similares aos que estão em falta.

*Com informações do G1