Justiça marca para julho julgamento de PM acusado de atropelar e matar casal em Araguaína

Tribunal do júri chegou a ser marcado para 2022, mas foi adiado. Denúncia aponta que policial estava alcoolizado e dirigia a 111km/h, quando colidiu na moto da vítimas.

Compartilhe:

Foi remarcado para o próximo dia 6 de julho o julgamento do policial militar Sayno Oliveira Silva, acusado de atropelar e matar um casal em Araguaína, no norte do Tocantins. O caso aconteceu em 2017, no perímetro urbano da BR-153.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

O julgamento chegou a ser marcado para 2022, mas foi adiado após um pedido da defesa. O caso voltou à pauta na 4ª Temporada do Tribunal do Júri/2023 da comarca de Araguaína. O advogado de Sayno Oliveira informou que não vai se manifestar neste momento.

Brenda Miranda Lima, de 23 anos e Lucas Alberto Rocha, de 25 anos, estavam em uma motocicleta, quando foram atingidos pelo carro do policial militar. Os veículos seguiam no mesmo sentido. O casal ainda foi socorrido, mas não resistiu.

Casal vítima de acidente em Araguaína
Foto: Divulgação

Conforme denúncia do Ministério Público, o militar estava alcoolizado e dirigia a 111km/h, quando colidiu na traseira da moto. Testemunhas contaram que o militar chegou a fazer disparos para o alto com objetivo de espantar as pessoas do local.

O policial foi denunciado pelos crimes de homicídio doloso, embriaguez ao volante e disparo de arma de fogo, lesão corporal grave, e pelo crime de ameaça.