Jovem denuncia crime de homofobia após levar mata-leão de segurança em banheiro de camarote; Vídeo

Agressão aconteceu em um camarote participar durante a última noite do Miracaxi 2023, em Miracema do Tocantins. Polícia Civil está investigando o caso.

Compartilhe:

Um vídeo perturbador mostrou um episódio de violência contra uma jovem durante o evento Miracaxi 2023, uma micareta realizada em Miracema do Tocantins. Enquanto estava dentro de um camarote da festa, a vendedora de 20 anos, que prefere não se identificar, foi impedida de usar o banheiro com sua namorada. O incidente levou a uma agressão física, e a jovem foi a delegacia para registrar a ocorrência que segundo ela, foi motivada por homofobia.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

No vídeo, a jovem tenta entrar no banheiro, mas é imobilizada por uma segurança da empresa Muralha G4, responsável pela segurança do evento. A vítima é arrastada para fora, mesmo com outras pessoas presentes afirmando que ela não fez nada de errado. Assista o Vídeo:

Uma confusão se instaura, e a segurança alega que a jovem agrediu um dos seguranças e lança spray de pimenta contra ela. Posteriormente, a vendedora precisou ser atendida pelo Corpo de Bombeiros, devido aos efeitos do spray de pimenta.

A mãe da jovem, Thays Almeida de Freitas, lamentou a situação e busca respostas sobre a motivação do ataque à sua filha, enfatizando que a jovem é uma pessoa doce e amigável. O caso está sendo investigado pela 7ª Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher e Vulneráveis (DEAMV) de Miracema.

Os responsáveis pelo camarote repudiaram a ação, mas não esclareceram o ocorrido. Já a empresa de segurança Muralha G4 negou as acusações e afirmou que a jovem tentou forçar a entrada no banheiro durante a limpeza, “possivelmente estariam sob efeito de alguma substância”.

O representante da empresa alega que a equipe de segurança feminina foi ameaçada e agredida verbal e fisicamente, mas não houve agressão por parte da segurança. A mãe da vítima nega a alegação de que a jovem estava sob efeito de alguma substância e contesta a postura da empresa de segurança no tratamento humano.

Outras mulheres que estavam no local relataram que o banheiro feminino foi fechado em esclarecer o motivo, formando uma longa fila enquanto a festa ainda acontecia.