Escândalo do lixo hospitalar: Pai de deputado se entrega após 15 dias foragido

Compartilhe

O advogado e ex-juiz eleitoral João Olinto Garcia de Oliveira, pai do deputado estadual Olytho Neto (PSDB), se entregou a polícia na noite desta terça-feira (27) em Palmas. O ex-juiz, que é investigado no escândalo do lixo hospitalar em Araguaína, tinha mandado de prisão em aberto contra ele e era considerado foragido.

A defesa de João Olinto informou que ele se apresentou no Forúm de Palmas a um juiz plantonista. Depois de ser ouvido o suspeito foi levado para o Instituto Médico Legal (IML), onde fez exame de corpo de delito.

Após se apresentar, o suspeito solicitou para que fosse recolhido em prisão domiciliar por causa de problemas de saúde, porém o pedido foi indeferido pelo juíz. João Olinto foi levado para o Quartel do Comando Geral de Palmas. Ele ficará no mesmo alojamento onde seu filho, Luiz Olinto, que está preso por suspeita de envolvimento no mesmo esquema.

O ex-juiz teve a prisão decretada na última segunda-feira (12) e era considerado foragido. No início das investigações policiais fizeram buscas no hotel, de propriedade dele, em Araguaína. Na época o delegado Bruno Boaventura, que foi exonerado do cargo de delegado regional, disse que a suspeita é que ele teria fugido por um matagal.

Entenda

A polêmica começou quando um galpão foi encontrado com quase 200 toneladas de lixo hospitalar.  No local deveriam funcionar duas empresas cadastradas no nome do deputado estadual Olyntho Neto (PSDB), filho do advogado e ex-juiz eleitoral João Olinto. O parlamentar negou envolvimento.

 Investigação

João Olinto é apontado como sócio da Sancil Sanantonio Construtora e Incorporadora LTDA, empresa contratada sem licitação para coletar o lixo do Hospital Regional de Araguaína. Conforme o contrato foi publicado no Diário Oficial do Estado, do dia 6 de agosto desse ano, o valor mensal pelo serviço ultrapassa R$ 500 mil. o ex-juiz nega que tenha vínculo com a empresa.

Polícia Civil informou que investiga a relação dessa empresa com o galpão onde foram encontradas mais de 200 toneladas de lixo na última quarta-feira (7). A suspeita é que esses resíduos sejam do Hospital Regional de Araguaína.

As investigação indicam que o galpão pertenceria ao deputado estadual Olyntho Neto e filho do ex-juiz eleitoral. No local deveria funcionar uma fábrica de farinha, mas a estrutura está oficialmente desativada há pelo menos dez anos. Duas empresas estão registradas no endereço e ambas estão no nome do parlamentar.

O o depósito clandestino foi interditado por fiscais do meio ambiente e a Defesa Civil municipal na semana passada, depois que foi encontrado seringas, ampolas de remédio e curativos.

Foragido

João Olinto está foragido da justiça, Durante o cumprimento do mandado de prisão, o ex-juiz conseguiu fugir por uma mata nos fundos do hotel. A polícia também fez buscas no escritório dele e encontrou o local todo revirado e sem alguns equipamentos.

Os advogados de Olinto entraram com pedido de habeas corpus, que foi negado pelo desembargador José de Moura Filho.

Duas funcionárias de João Olinto também estão com a prisão decretada: Ludmila Andrade de Paula e Waldireny de Souza Martins. Elas aparecem como sócias da empresa e são acusadas de crime ambiental e organização criminosa.

Suspensão do contrato

Após a repercussão do caso, O Governo interrompeu a coleta de lixo em 13 hospitais de seis regiões do Tocantins. A medida se deu devido suspensão do contrato com a empresa Sancil Sanantonio Construtora e Incorporadora LTDA, cujo um dos sócios da empresa é o advogado e ex-juiz eleitoral, João Olinto Garcia de Oliveira.