Dívidas do Governo do Tocantins ultrapassam R$ 3,1 bilhão

Compartilhe:

A dívidas do Estado do Tocantins ultrapassam R$ 1,3 bilhão. A informações foi passada pela A Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), nesta quarta-feira (7), durante coletiva à imprensa. Conforme o órgão, o levantamento é preliminar, e pode chegar a um montante ainda maior.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Uma das maiores dívidas, no valor de R$ 351.786.355,25, diz respeito ao desconto em folha dos servidores e não repassado ao Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Tocantins (Igeprev), incluindo as contribuições dos servidores e a patronal. O mesmo caso ocorre com Plano de Saúde dos Servidores Públicos do Estado (Plansaúde), onde deixaram de ser repassados R$ 161.737.269,46. Já a dívida com fornecedores e prestadores de serviços internos e externos é de R$ 344.850.827,99.

Uma outra dívida apontada pela secretaria, diz respeito a empréstimos consignados realizados em folha, descontando do servido, mas não repassado à instituição. Esse não comprimento corresponde a  R$ 182.945.947,01, gerando problemas para o Estado e para os próprios servidores.

Na área da Saúde, as dívidas chegam a R$ 138.691.858,90, montante que inclui despesas com a aquisição de medicamentos, materiais hospitalares e de consumo, equipamentos, prestação de serviços e outros. Já a Agência Tocantinense de Saneamento (ATS) conta com uma dívida de quase R$ 60 milhões com empresas prestadoras de serviços, inclusive com caminhões pipas.

Outra questão ressaltada pela Sefaz é o atraso com o repasse do duodécimo ao Tribunal de Justiça (TJ), Tribunal de Contas do Estado do Tocantins (TCE), Assembleia Legislativa (AL), Defensoria Pública e Ministério Público Estadual (MPE), que chega a R$ 136 milhões.

A secretaria ressaltou que valor da dívida até o momento é de cerca de R$ 1,376 bilhão, mas pode ser ainda maior, já que a equipe de governo ainda não conseguiu levantar todas as informações. Disse ainda que esses valores não levam em consideração os direitos dos servidores públicos que ainda estão pendentes.

Foto: Divulgação

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *