Comércio em Palmas só poderá funcionar até 20h, segundo decreto da prefeitura

Medida começa na segunda-feira (22). Prefeitura citou ocupação de leitos de UTI e crescimento no número de casos como justificativa.

Compartilhe

Um novo decreto emitido pela Prefeitura de Palmas determina que a partir de segunda-feira (22) o comércio e outros serviços poderão funcionar apenas entre 6h e 20h. Além disso, também será suspenso o atendimento presencial em órgãos públicos do município. Antes, o horário de funcionamento era até 22h. Segundo o município, as medidas valem por 15 dias.

Conforme o decreto, o horário restrito se aplica a todas as atividades comerciais, igrejas, escolas, parque e praças. Podem seguir funcionando normalmente postos de combustíveis, farmácias, serviços hospitalares e serviços de hotelaria.

Em igrejas e escolas será necessário seguir os protocolos de segurança já estabelecidos nos decretos anteriores, mesmo com os novos horários. Os serviços de entregas de produtos podem funcionar até meia-noite e ficam proibidas as entregas no balcão.

Nos órgãos públicos, seguem atendendo presencialmente apenas os serviços de saúde, conselhos tutelares e serviços essenciais de atendimento da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, tais como: plantão social e casas de acolhimento. No Resolve Palmas e na Sala do Empreendedor também haverá atendimento presencial, mas apenas com agendamento prévio.

Também ficam mantidas restrições que já estavam em vigor, como a realização de shows, o funcionamento de boates e também a utilização dos píeres 1 e 2 localizados na Praia da Graciosa e de embarcações no lago. O Parque Cesamar vai ficar fechado aos fins de semana e não é permitido o uso das faixas de areia das praias.

O consumo de bebidas alcoólicas também está proibido em espaços públicos e em estacionamentos de distribuidoras, conveniências, hipermercados, supermercados e mercados. Todos os tipos de eventos particulares que possam gerar aglomerações também estão suspensos, tanto na área urbana como na rural.

A prefeitura justificou a medida citando a ocupação de leitos de UTI na cidade e crescimento no número de casos da Covid-19. Nas redes sociais, a prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB) disse que os atuais percentuais indicam que Palmas se encontra ‘a beira do colapso’.

Segundo o decreto, nesta sexta-feira, as taxas dos hospitais da capital são as seguintes:

  • Hospital Estadual de Combate à COVID-19 – 100%
  • Hospital Oswaldo Cruz – 100%
  • Hospital Santa Thereza – 90%
  • Hospital Geral de Palmas – 67%

O novo decreto foi publicado no Diário Oficial do Município na tarde desta sexta-feira (19).