Cirurgias neurológicas no HGP estão suspensas por falta de equipamentos, materiais e leitos de UTI

Compartilhe:

Uma vistoria realizada por órgãos fiscalizadores no Hospital Geral de Palmas (HGP),  constatou que o setor de cirurgia neurológica encontra-se suspenso por falta de equipamentos, matérias básicos e leitos de UTI de retaguarda. A visita a unidade aconteceu nesta segunda-feira (6), e foi motivada pela lista de mais 120 pacientes a espera por cirurgia. Participaram da inspeção, representantes do Ministério Público Estadual (MPE), Ministério Público Federal (MPF) e Defensoria Pública Estadual (DPE).

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

A detectada como mais grave é a falta de leitos de UTI, uma vez que eles são necessários para a realização das cirurgias. O ofício encaminhado pela coordenadoria da Neurocirurgia à diretoria do HGP, no último dia 9, informou que os serviços foram suspensos porque “o único microscópio do maior Hospital do Estado não funciona adequadamente há meses e outros equipamentos como craniótomo, clipes de aneurisma, cola biológica, dentre outros, ou não funcionam ou estão em falta”.

Durante a inspeção, uma lista dos que estão aguardando por procedimentos, totalizando 123 pacientes, também foi entregue à equipe, e foi possível observar que alguns pacientes aguardam há meses pelos procedimentos. Alguns deles esperam há quase um ano, inclusive, em casa.

Esta realidade foi verificada de perto pelos representantes do MPE, MPF e DPE, que percorreram os leitos do setor ouvindo médicos, pacientes e acompanhantes. Constataram que alguns pacientes têm problemas graves como aneurismas e tumores, e que cada dia sem a realização dos procedimentos aumenta o risco de morte ou de complicações e sequelas graves.

Na ocasião, relataram que há Ações judicializadas na esfera estadual e federal que tratam de problemas no Hospital. Uma delas, de 2017, é específica sobre os problemas do setor da neurocirurgia. “Agora devemos nos reunir e estudar qual a melhor medida a ser tomada para resolver este problema, que é grave e urgente”, informou a Promotora de Justiça Maria Roseli, que também requisitou, na oportunidade, a relação dos pacientes que foram a óbito sem atendimento, para encaminhar os casos à Promotoria de Justiça criminal.

Durante a vistoria, os médicos ainda expuseram as dificuldades que possuem em relação aos leitos de UTI no setor, que precisa, hoje, de pelo no mínimo quatro leitos de retaguarda. Também citaram que, se tivessem hoje todos os materiais e equipamentos faltantes, ainda assim seriam necessários quase seis meses para zerar a demanda de cirurgias eletivas, visto que a capacidade do setor de neurologia é de realizar de cinco a seis cirurgias por mês.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *