Baixa procura por doses da vacina preocupa municípios Tocantins

Em Araguaína, quase metade do público com até 25 anos sequer concluiu o ciclo vacinal. Já Palmas, campanha pelas doses de reforço evolui de forma lenta.

Compartilhe

A redução na procura por imunizantes contra a Covid-19 tem gerado preocupação tanto em Palmas quando no interior do Tocantins. Em Araguaína a prefeitura informou que está tentando atrair o público mais jovem, já que praticamente metade das pessoas entre 12 e 25 anos sequer completaram o ciclo vacina com a segunda dose.

“Preocupa porque essa população ainda está desprotegida. Aquela que tomou a primeira dose e não voltou para tomar a segunda ela não tem a proteção completa contra as formar graves do Covid. Quem impede hospitalização e óbito”. diz Samilla Braga, que é diretora de imunização de Araguaína.

Em Palmas, a dose de reforço é o principal problema. Mais de 220 mil pessoas tomaram a primeira dose na capital e 188 mil a segunda, mas o número de pessoas que tomou o reforço ainda não chegou nem a 40 mil.

Essa ausência dos moradores preocupa porque nas últimas semanas o número de casos ativos voltou a crescer rapidamente. Em Araguaína a ocupação dos leitos de UTI dedicados a pacientes com a Covid-19 já chega a 80%.

Na capital, para tentar contornar o problema foi criado o projeto Busão Mais Saúde, para levar a vacina até pontos de grande movimentação. O veículo estaciona em locais como parques, praças ou até mesmo shoppings e atende por demanda espontânea. A ideia é alcançar quem se esqueceu da data da vacinação ou simplesmente não quer ir até o postinho.

Mesmo assim, ainda tem quem vá a estes locais para receber as vacinas. “Com certeza eu saio mais tranquilo, porque eu tenho um problema crônico de pulmão, que eu tenho que cuidar, eu tenho comorbidade, então eu tenho sim que tomar essa decisão de tomar a medida preventiva”, diz o advogado Mauro Ivoney, que se imunizou numa UBS de Palmas.