Alerta!: Vários sites falsos sobre o programa Desenrola Brasil surgem em menos de 24 horas

Sites falsos tentam enganar consumidores usando termos, cores e logos do governo. Febraban orienta a não devem clicar em links recebidos por aplicativos de mensagens, redes sociais ou patrocinados em sites de busca.

Compartilhe:

O programa Desenrola Brasil, lançado pelo governo federal, busca beneficiar 70 milhões de brasileiros endividados que desejam renegociar suas dívidas e limpar seus nomes. No entanto, menos de 24 horas após o lançamento, já foram identificados os primeiros sites falsos que tentam enganar consumidores usando termos, cores e logos do governo.

A parcela de famílias endividadas no Brasil chegou a 78,3%, o que torna esse contexto favorável para criminosos que buscam criar golpes e atrair vítimas. O Site Confiável, plataforma de proteção ao consumidor, já identificou 5 sites falsos relacionados ao programa, e alerta que esse número deve aumentar com o passar dos dias, especialmente quando os golpistas começarem a patrocinar campanhas nas redes sociais e buscadores.

Para evitar cair em golpes, é importante tomar algumas precauções:

  1. Não clique em links recebidos por WhatsApp ou SMS, especialmente se forem enviados por números desconhecidos ou mesmo por pessoas próximas, pois podem ser golpes.
  2. Evite acessar links patrocinados em redes sociais, pois mesmo anúncios podem ser fraudulentos.
  3. Tenha cuidado com ligações ou e-mails recebidos, pois os criminosos podem ter acesso a dados pessoais e usá-los para parecer autênticos.
  4. Nunca envie dinheiro para terceiros, negocie apenas com o banco ou empresa oficial responsável pela dívida.

A plataforma Site Confiável alerta que os golpes relacionados ao programa Desenrola Brasil devem aumentar consideravelmente nos próximos dias. É importante orientar familiares e pessoas próximas sobre os riscos e tomar cuidados adicionais para proteger-se digitalmente.

Para aderir ao programa oficialmente, é necessário verificar os canais específicos disponibilizados pelos bancos participantes através de telefone, agência ou aplicativo, evitando cair em golpes e garantindo uma negociação segura.

Febraban divulga alerta

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) divulgou alerta para golpes envolvendo o Programa Desenrola Brasil. Segundo a entidade, os golpistas podem utilizar links falsos e técnicas de engenharia social para obter dados confidenciais e realizar transações financeiras fraudulentas.

Na primeira fase do programa, as instituições financeiras retiram o nome dos devedores com dívidas de até R$ 100, permitindo que eles contratem novos empréstimos e realizem operações como fechar contratos de aluguel. Devedores com renda de até R$ 20 mil também podem renegociar suas dívidas com bancos, mas o Desenrola só abrange débitos contraídos até 31 de dezembro do ano anterior.

A Febraban enfatiza que os clientes não devem clicar em links recebidos por aplicativos de mensagens, redes sociais ou patrocinados em sites de busca. É importante que busquem informações apenas nos canais oficiais dos bancos que aderiram ao programa, como agências, internet banking ou aplicativos bancários. Caso decida renegociar no internet banking, o usuário deve digitar o endereço da instituição financeira para garantir a autenticidade.

Em caso de dúvida sobre propostas ou valores, o cliente deve entrar em contato com o banco pelos canais oficiais. Somente após a formalização de um contrato de renegociação é que os valores podem ser debitados da conta nas datas acordadas. Ao pagar boletos, é essencial verificar se estão sendo direcionados à instituição financeira com a qual o cliente possui a pendência.

A Febraban ressalta que não envia comunicados para renegociar dívidas no Desenrola Brasil. Caso receba mensagens com o logotipo da entidade ou de bancos, o cliente deve descartá-las e contatar os canais oficiais da instituição financeira, como agência, internet banking e aplicativo bancário. A atenção e cautela dos consumidores são essenciais para evitar golpes durante o programa.

*Com informações da Agência Brasil