Ação do MP pede realização de concurso para quadro geral da educação no estado

O Ministério Público também requer que o estado seja proibido de celebrar novos contratos temporários, de forma reiterada e sucessiva.

Compartilhe


Uma Ação Civil Pública ajuizada pela 9ª Promotoria de Justiça de Palmas, ajuizada nesta quinta-feira (12), requer, com pedido de tutela de urgência, que a Justiça obrigue o governo do Tocantins a promover concurso público para preenchimento de vagas no quadro da educação. A ação também pede que o ente seja proibido de celebrar novos contratos temporários, de forma reiterada e sucessiva.

Na ação, o promotor de Justiça Edson Azambuja relata que há quase 10 anos não é realizado concurso público no âmbito da Secretaria da Educação, Cultura, Juventude e Esportes do estado, situação que, segundo o promotor, se agrava em virtude do número excessivo de contratos temporários.

Conforme o Ministério Público, a promotoria de Justiça apurou que até novembro de 2018, a rede estadual de ensino contava com 6.673 contratos temporários, o que representava 42,40% do quadro funcional. Em abril deste ano foram requisitadas informações à Secretaria, que se limitou a informar sobre a iminência de celebração de 4.890 contratos temporários.

Edson Azambuja reforça que o concurso público é exigência constitucional, previsto no art. 37, II, da Constituição Federal e, portanto, não pode ser burlada pela manutenção excessiva e reiterada de servidores atuando por meio de contratos temporários.

“Os detentores de contratos temporários ficam reféns das indicações políticas, fomentadas, em sua maioria, por políticos, violando os princípios da legalidade, impessoalidade e moralidade administrativa”, concluiu.

Com bases nos apontamentos, a ação requer que o governo do estado deflagre concurso público destinado ao provimento de no mínimo 5.644 cargos vagos, no prazo máximo de seis meses; que não celebre contratos temporários, de forma reiterada e sucessiva; e que também faça a inclusão dos valores necessários para a realização do concurso na Lei Orçamentária Anual – Exercício Financeiro de 2020.